Archive for agosto \26\UTC 2008

Melhores HQs de 2007, Parte 2…. e a nova SET!

terça-feira, 26 agosto, 2008

Ok, não foi exatamente “no dia seguinte”, mas as cinco melhores HQs do ano passado estão aí embaixo – mais o preview sensacional da SET de setembro!

5. Y – THE LAST MAN #60

(Texto: Bryan K. Vaughn; Arte: Pia Guerra)

Tecnicamente, a última edição da obra-prima de Vaughn e Guerra foi publicada na última semana de janeiro, mas como eu ia falar do último arco da série, que diabos, me processem. Como é praxe nas séries da Vertigo, Y – The Last Man foi criada com começo, meio e fim, com a ação de sessenta edições narrada em cinco anos num mundo pós-apocalíptico (e não há como descrever de outra maneira), em que todo mamífero com cromossomo y do planeta – ou seja, todos os machos – morreram misteriosamente ao mesmo tempo. O único sobrevivente foi o “escapista” Yorick Brown (e seu macaco, Ampersand). Ao longo da série, Vaughn, auxiliado pelo lápis elegante de Pia Guerra, não só mostrou as conseqüências devastadoras de um mundo sem homens como também apontou as causas para o evento – que, esticando a imaginação, foi algo cientificamente plausível – e como o planeta sobreviveria no futuro. No meio tempo, feminismo, militarismo, clonagem, viagens de ácido, intrigas e conspirações deram o tom, culminando numa edição de encerramento melancólica, triste e sublime – e, se você nunca leu Y – The Last Man, aconselho saltar para o próximo texto, já que vou falar sobre algumas coisas que compõem a edição.

Ainda aqui? Ok.

Depois da morte da agente 355 ao fim da edição 59 – a quem Yorick, com o fim da sua busca global por sua namorada, descobre estar realmente apaixonado –, não parecia mais ter sentido seguir a história, já que todos os pingos estavam nos is. Vaughn deu um salto temporal, mostrando que a humanidade perdurou com a ciência da clonagem, e com o próprio Yorick Brown, agora além de seus 70 anos, vivendo recluso – ou melhor, em confinamento – depois de tentar o suicídio. Como em toda a série, Vaughn não apresenta uma solução apressada, e com flashbacks bem colocados explica como ficou a mente do último homem da Terra quando o mundo foi, tecnicamente, salvo. O último painel da série, representando a grande incógnita que nossas “certezas” insistem em apontar, foi um desfecho sublime para uma das grandes histórias da literatura moderna. Uma série que, como muitas outras com o selo Vertigo, deixará saudades.

4. PUNISHER: WIDOWMAKER

(Texto: Garth Ennis; Arte: Lan Medina)

Garth Ennis entende o Justiceiro. Ou melhor, passou a entender depois que o título migrou para o selo Max da Marvel. Se antes Ennis fez do gibi do anti-herói uma pérola do humor negro, a mudança o fez criar as melhores tramas protagonizadas por Frank Castle desde sua estréia em Amazing Spider-Man 219. Não as melhores de hoje, veja bem: NUNCA o Justiceiro teve tramas tão boas, em toda sua trajetória, do que nas mãos de Garth Ennis e no selo Max – que vê o fim de uma era quando o roteirista abandonou o título mês passado na edição 60. Neste tempo, talvez “Widowmaker”, publicada nas edições de 43 a 49, tenha sido a melhor história do Justiceiro em todos os tempos. Não por ter sido a mais violenta, ou a mais original, muito menos a mais surpreendente. Mas Ennis conseguiu mostrar porque só Frank Castle é capaz de fazer o que faz, e como suas ações trazem conseqüências como uma pedra que perturba a placidez de um lago. O estopim é a união de viúvas de mafiosos mortos pelo Justiceiro, que se juntam para tocar um plano de vingança. Mas a irmã de uma delas – dada como morta quando seu marido, um cadáver também despachado por Castle que se divertia espancando a mulher e assistindo a ela satisfazer sexualmente seus amigos, cansou e se livrou dela. Seu retorno marca o início de uma história que revela a influência que Castle nem imagina ter, e também sua absoluta frieza ante os acontecimentos. “Widowmaker” é genial por não fazer concessões, por mostrar de maneira cruamente realista o que é o trabalho de Castle – e de seus alvos – e também por mostrar a conclusão mais impactante de uma série de quadrinhos em muito, muito tempo.

3. THE GOON: CHINATOWN

(Texto e arte: Eric Powell)

Em sua série semi-mensal, a criação de Eric Powell vive numa cidade infestada de zumbis, bruxas, monstros, aliens e outras esquisitices, numa atmosfera remanescente tanto dos quadrinhos da EC Comics (acompanhar o traço de Powell é como ler um Tales from the Crypt digitalmente pintado) quanto da literatura pulp. O Goon (ou Casca-Grossa, como foi chamado no único arco publicado no Brasil) é um brutamontes que supostamente trabalha para um mafioso e tenta manter um semblante de ordem em seu pedaço. Se a série é uma coleção de pérolas do non sense, encapsuladas no universo tecido por Powell, a graphic novel Chinatown (and the Mystery of Mr. Wicker) é uma obra-prima, uma trama fechada e acessível para quem nunca leu The Goon na vida. E, acima de tudo, é uma história de amor. Com estrutura fragmentada em flashbacks, Powell investiga o passado do Goon e como seu envolvimento com uma femme fatale enquanto consolidava a aliança com outros grupos criminosos quase pôs fim em sua vida do lado errado da lei. Ao mesmo tempo, um novo e misterioso criminoso rapta seu parceiro, o diminuto Franky (a base mais sólida da vida do anti-herói e, não raro, salva sua pele literal e metaforicamente), então Goon tem de voltar aos erros do passado para tentar salvar seu futuro – tudo num registro melancólico incomum para uma série pautada na violência cartunesca e na exploração do absurdo. Chinatown é como se A Marca da Maldade fosse dirigido por Guillermo Del Toro e depois impresso como HQ. É violento, é inesperado, é seco e tem alma. É um excelente ponto de partida para quem nunca leu a série. E é grande literatura, que joga o natural e o sobrenatural numa mistura com muita personalidade – palavra que faz muita falta à massa encefálica coletiva produzindo quadrinhos hoje, e que Eric Powell tem de sobra.

2. THE LEAGUE OF EXTRAORDINARY GENTLEMEN: BLACK DOSSIER

(Texto: Alan Moore; Arte: Kevin O’Neill)

Mr. Moore e Mr. O´Neill fizeram de novo. A mais recente aventura da Liga Extraordinária (e última por uma major) encaixa-se com brilhantismo ao lado dos dois primeiros tomos, e vai além. Talvez descontente em ver parte de sua obra sendo traduzida para outras mídias (colocando pingos nos is, as intermináveis discussões de como o autor não quer nem saber da adaptação para cinema de Watchmen), Moore criou uma obra que realmente não faz sentido a não ser como uma história em quadrinhos. E não como conteúdo, mas como forma: ao longo de suas 200 páginas, Black Dossier vê sua narrativa de quadrinhos “tradicionais” transfigurada sempre que os protagonistas – Mina Murray e Alan Quatermain, com os quais Moore conseguir uma solução genial para uma série mais longeva – abre o tal “dossiê negro”, que conta a história de todas as Ligas até então. A partir daí, a trama é narrada de acordo com a época e a mídia em que originalmente se situava, seja uma peça, uma narrativa em prosa, mapas, cartas e até uma masturbatória tijuana bible, gibi de sacanagem ao estilo Carlos Zéfiro – em um extraordinário trabalho de Kevin O´Neill. Em cada um destes pedaços, o tipo de papel usado na impressão é modificado, bem como seu tamanho, o que dá a ilusão de que a trama realmente é expandida além de nossa percepção normal. E, acredite, cada um destes pedaços é essencial não só para compreender o que está acontecendo como também para nos preparar para a novíssima série LOEG: Century, desta vez publicada (em três tomos) pela Top Shelf. Ah, a trama: saltando era Vitoriana das histórias originais para 1958, Mina e Quatermain precisam recuperar o Black Dossier e desvencilhar-se de três agentes da Coroa – o jovem espião Jimmy (ou melhor, James Bond, acertando a caracterização original de Ian Fleming até as vírgulas), Emma Night (antes de se tornar Emma Peel, estrela da série Os Vingadores) e Hugo Drummond (ou Bulldog Drummond, criação de Herman McNeile, um ex-combatente da Primeira Guerra que se tornou detetive). O clímax da nova aventura da Liga joga as convenções pela janela e lembra as alucinações de Promethea, com um encontro cósmico retratado em 3D – mais uma vez, essencial para a trama, e não apenas um gimmick. Quando inventa de criticar Hollywood, outros artistas ou filmes derivados de sua obra, Alan Moore pode ser indigesto e inconveniente. Mas é inegável que, após ler algo tão denso, detalhista e inacreditável como Black Dossier, “gênio” é a única palavra aplicável a ele.

1. LANTERNA VERDE: SINESTRO CORPS WAR

(Texto: Geoff Johns, Dave Gibbons e Peter J. Tomasi; Arte: Ivan Reis, Ethan Van Sciver, Patrick Gleason)

Histórias em quadrinhos são uma mídia propícia para contar histórias de qualquer gênero – seja terror, romance, comédia, o que seja. Mas, por conta de ícones como Superman ou Homem-Aranha, tornou-se sinônimo de super-heróis. E é em histórias coloridas que estes encontraram seu nicho mais tradicional. E mais abundante. E é aí que mora o problema. Há sete décadas, desde que o Homem de Aço começou seu vôo, o formato das histórias de super-heróis seque o esquema das soap operas: apesar das adaptações de cada época, elas seguem uma cronologia mais ou menos estabelecida, o que torna difícil a autores contemporâneos criar não só tramas de impacto, que tenham alguma relevância e que possam refletir em seus personagens no futuro próximo, mas também que possam criar algo comercialmente viável para que os super-heróis – e suas editoras, claro – continuem no horizonte. E os fãs não deixem de receber a dose de seus personagens favoritos. A moda atual são, claro, as “grandes sagas”, os megacrossovers que monopolizam atenção e polarizam os criadores de uma editora em torno de um único evento. Às vezes ele funciona muito bem (como em Guerra Civil ou no atual Secret Invasion, da Marvel). Outra, é uma confusão de dar dó (se você não consegue enxergar lógica em Contagem Regressiva, espere até ver o absurdo que é Crise Final…).

E, às vezes, tudo dá certo.

Sinestro Corps War não foi vendida como uma minissérie “fundamental”, um evento de repercussões cósmicas nem teve dezenas de one-shots e séries paralelas. Na verdade, a trama foi contida nas séries Green Lantern e Green Lantern Corps – mais quatro especiais – e conseguiu, sem esforço, unir o melhor de todos os mundos para uma aventura de super-heróis em quadrinhos: uma trama enxuta que mistura ação, aventura, ficção científica e drama num épico que redefine o papel da tropa dos Lanternas Verdes, amarra a saga da ressurreição do maior deles, Hal Jordan e, o principal, prepara terreno para o futuro – a próxima grande história dos Lanternas é The Blackest Night, em 2009. Tudo isso visualizado por um grupo de artistas encabeçado pelo brasileiro Ivan Reis, que nasceu para desenhar super-heróis e tornar a história um blockbuster como os de Michael Bay. Não existe nada muito denso ou metafórico em Sinestro Corps War (que está para começar no Brasil com o nome “A Guerra do Anel”). Não é pretensioso como Hulk Contra o Mundo, em que a Marvel deixa uma ótima premissa se diluir em dezenas de histórias ruins – aqui o texto gravita em torno de Geoff Johns, com Dave Gibbons e o excelente Peter Tomasi como auxílio luxuoso. Mas é divertido, visualmente deslumbrante e empolgante como poucas boas histórias. E o que mais a gente pode pedir de um bom gibi de super-heróis?

EXTRA! EXTRA! QUEM VIGIA OS VIGILANTES?

A SET, é claro. Começando nossa cobertura de Watchmen em grande estilo, a edição de setembro da melhor revista de cinema do Brasil traz reportagem exclusiva com os bastidores da adaptação da obra-prima de Alan Moore e Dave Gibbons – celebrada com quatro capas para você colecionar. Fomos às filmagens de Watchmen no Canadá, conversamos com o diretor e o elenco do filme em San Diego e também no Brasil – tudo para você não perder nada da difícil tarefa do diretor Zack Snyder em traduzir em som e luzes a criação de Moore e Gibbons. Aproveitando a deixa, adiantamos segredos de grandes filmes que estréiam nos cinemas do Brasil e do mundo até o fim do ano e além, com um aperitivo de O Exterminador do Futuro: A Salvação (e um pedaço de nossa entrevista exclusiva com o diretor McG), Harry Potter e o Enigma do Príncipe (que fomos conferir as filmagens em Londres), O Lobisomem, Wolverine, GI Joe e muitos outros. Quer mais? Direto de Budapeste, a gestação de Hellboy II: O Exército Dourado; das ruas de São Paulo, as filmagens de Ensaio Sobre a Cegueira; e um bate-papo exclusivo com os diretores de Linha de Passe, Walter Salles e Daniela Thomas. Fique de olho nas bancas, agarre as quatro capas e boa leitura.

Anúncios

errr… Melhores HQs de 2007, parte 1

terça-feira, 19 agosto, 2008

O que posso dizer? Obrigações se atropelaram, mudanças ocorreram e a rotina mordeu um naco generoso de meus neurônios pop – como conseqüência, a lista de melhores gibis de 2007, finalizada pós-Carnaval, ficou guardadinha, esperando seu lugar ao Sol. Como boa parte das histórias a seguir sequer foi publicada no Brasil, o Top Ten 2007 Kapow! de HQs (pomposo, não?), permanece atual. Ah, vale explicar alguns critérios: basicamente, não entram republicações no bolo e, com uma única (e explicável) exceção, todas as histórias a seguir viram a luz ano passado – também não dividi entre “nacionais” e “gringos” porque, afinal, uma boa história é uma boa história, e ao inferno com sua origem. É, desculpas, desculpas… Sem mais delongas, vamos ao listão – a primeira parte vai hoje; a segunda, amanhã.

10. ALL-STAR SUPERMAN #9

(Texto: Grant Morrisson; Arte: Frank Quitely)


Grant Morrisson faz tudo parecer muito simples. A cada mês, All-Star Superman desfila as melhores histórias do Homem de Aço em décadas sem que elas precisem de um mega-crossover para funcionar, sem edições especiais, sem tomos de capa dura. No confinamento de um gibi comum, Morrisson desvenda o que faz o Superman ser o maior de todos os heróis, com uma reverência à sua história que nunca resvala na estupidez e no revisionismo. A cada edição, o escritor esmiuça uma parte da personalidade do herói, e no processo o torna mais humano – o que é uma contradição, já que na série o Superman está morrendo por overdose de poder e encontra-se mais forte do que nunca. Aqui, ele confronta dois Kriptonianos que tentam reerguer a “glória de Krypton” na Terra” à força, até serem derrotados por sua própria mortalidade. Alguém tem dúvida que All-Star Superman estará nessa lista novamente ano que vem?

9. THE UMBRELLA ACADEMY

(Texto: Gerard Way; Arte: Gabriel Bá)


Não é que eu tinha um pé atrás com uma série assinada pelo vocalista da banda emo My Chemical Romance: eu tinha certeza de que não passava de egotrip do astro do rock. Mas aí li a primeira edição. E havia algo muito peculiar neste grupo/família de super-heróis – uma mistura mais psicodélica de Quarteto Fantástico com X-Men – que se reúne em circunstâncias bizarras. Encarei a segunda edição e já era tarde: Gerard Way deixou de ser “o sujeito do My Chemical Romance” para se tornar um dos escritores mais promissores a aterrisar nas HQs, misturando a sensibilidade grotesca de Grant Morrisson em Patrulha do Destino com a dinâmica de anti-heróis que Chris Claremont imprimiu nos X-Men em seus tempos áureos. A arte, então, é um capítulo à parte. O brasileiro Gabriel Bá (que eu sempre confundo com seu irmão, Fábio Moon, foi mal, Bá) aperfeiçoa em seu estilo ecos de Mike Mignola sem nunca perder a identidade que o destacou ainda no quadrinho independente brasileiro. Ele abraça o “gênero super-heróis” com voracidade, ainda que seja tão distoante do mainstream: é arte de fato.

8. ASTONISHING X-MEN #23

(Texto: John Whedon; Arte: John Cassaday)


Habitando um universo compacto dentro dos próprios meandros editoriais da Marvel, a série bancada por Whedon e Cassaday é a melhor tradução dos heroi mutantes desde que Grant Morrisson os reinventou com os trajes de couro negro. Mas, nas mãos do criador de Buffy, X-Men é uma equipe de super-heróis sem entrelinhas, e Whedon sabe exatamente como nos enamoramos dos mutantes em primeiro lugar. Nesta edição em particular, recentemente publicada no Brasil, ele engloba tudo que faz dos X-Men os melhores: o melodrama, a ação hipercinética, a personalidade bem definida de cada um e um “flashback” espetacular, que me fez voltar a duas, três edições atrás com um “ah, fala sério!” gigante estampado no rosto. “A mim, meus X-Men”, entoado por um Ciclope mostrando porque afinal é o líder da equipe, é de arrepiar – assim como a conclusão desta saga.

7. SHORTCOMINGS

(Texto e arte: Adrian Tomine)


Criador da espetacular série Optic Nerve, Adrian Tomine é um historiador do homem comum. Como poucos autores – em qualquer mídia – ele entende que o mundo contemporâneo vive mergulhado em sarcasmo, mesmice, correção política e outras doenças modernas que parecem travar nossa evolução como espécie. Caso em questão, o gerente de cinema Ben Tanaka, protagonista de sua primeira graphic novel. De origem nipônica, ele namora com Miko, uma descendente de japoneses (que vive para “reafirmar” sua herança) e sua melhor amiga é outra nissei, lésbica, que não dura muito em nenhum de seus relacionamentos. Quando Miko dá um break e vai morar em Nova York, Ben aproveita para fazer um balanço de sua vida – o que não significa nenhuma introspecção, ou o menor esforço para ele lidar com sua total inabilidade em se relacionar com pessoas, e sim sexo com mulheres diversas (e não-asiáticas, de preferência) e a demolição de cada bobagem erguida pela juventude “correta” contemporânea – “artistas” e “malditos” muito parecidos com os indies brasileiros. De traços econômicos, Tomine faz seu discurso sobre intolerância e preconceito disfarçado de dramédia romântica moderna. Mas sua intenção não é doutrinar ou tomar partido: é mostrar como as pequenas coisas mudam o rumo de nossa vida. E ser um cronista das pequenas coisas é o que faz dele – e de Shortcomings – grande.

6. A MORTE DO CAPITÃO AMÉRICA

(Texto: Ed Brubaker; Arte: Steve Epting)


Matar um personagem de relevância, na esmagadora maioria das vezes, é recurso de roteirista capenga ou desespero da editora por baixas vendas. Bom, Brubaker está longe de ser “capenga” e nem a Marvel ou o título do Capitão América estavam mal das pernas. Ainda assim, sobrou a terceira alternativa para tirar Steve Rogers de cena: contar uma boa história. Desde que Brubaker (e o incomparável Steve Epting) relançaram o título do Capitão há mais de dois anos, ele tornou-se menos um “super-herói” e mais uma trama de ação e espionagem, um James Bond com mascara. Veio a Guerra Civil, heróis tomaram lados e Steve Rogers foi preso – no epílogo, terminou assassinado justamente por Sharon Carter, sua amante, que tinha a mente controlada pelas maquinações do Caveira Vermelha. O mais impressionante é que, depois da morte de Rogers, o título manteve-se com o mesmo ritmo e o mesmo senso de urgência, com o plot politico de Brubaker desenvolvendo-se ao mesmo tempo em que aumentavam as apostas de quem seria o próximo a empunhar o escudo do herói. Um ano se passou. Steve Rogers continua morto. As conseqüências são sentidas com força no atual blockbuster Secret Invasion. E Capitão América continua sendo um dos títulos mais sólidos da Marvel.