Comic Con, Dia 3: Watchmen e a… eletricidade

Ok, vou direto ao ponto: a Comic Con 2008 está morna. Pronto, falei. Está morna, sem pique, sem… eletricidade! Ano passado sempre existia uma certa empolgação no ar, uma mistura de feirão com show de rock. Pois bem, os shows estão mais para Coldplay do que para Rage Against The Machine. Veja o caso de Watchmen. Hall H lotadaço, platéia enfileirada desde as 7 da manhã. A imprensa, então, espremida num vão embaixo da tela, sem espaço sequer para ver o que era exibido (menos este que vos escreve, que usou os bons contatos para ficar num lugar mais bacana – como já dizia o Faith no More, “being good gets you stuff”). Eis que surge o elenco principal do filme, seguido do diretor Zack Snyder. Novas imagens do filme exibidas (dentro do contexto, ainda mais espantosas do que no trailer, com o Dr. Manhattan explodindo vietcongues em um pipoco de sangue, misturada a cenas mais serenas de cada personagem, inclusive um sorriso assustador do Comediante para a Espectral – uma “cantada” que, quem leu a série, sabe bem como termina).

Daí veio o problema: aplausos contido, entusiasmados até. O mesmo clima se repetiu no painel do filme de Frank Miller, The Spirit (as cenas que o diretor selecionou mostram que a tecnologia para bolar maluquices digitais não pára nunca de evoluir). Mas nada que fizesse o chão reverberar como Homem de Ferro ano passado. Ou Homem-Aranha 3 no anterior. A verdade é que a Con foi mesmo tomada, domesticada pela máquina de marketing dos grandes estúdios. É um lugar de grandes anúncios (RoboCop por Aronowski, Red Sonja com Rose McGowan) e de poucas novidades. Um paradoxo, que reflete na atmosfera incrivelmente morosa do salão principal – lotado como nunca, diga-se. Deve ser um saco para quem faz a cobertura online, o hard news do evento, já que de “news” a Comic Con pouco traz além do marketing mastigado. Para a SET é outro papo, já que, sem a preocupação de jogar tudo para você, caro leitor, na velocidade da luz, encontramos espaço para entrevistas mais longas (e exclusivas) que damos aos poucos, em matérias mais completas.

Com a Comic Con chegando ao fim em dois dias, eu ainda espero que o sábado reserve boas surpresas (Terminator Salvation é o grande filme de hoje). Mas já estou resignado. Ano que vem, com mais coisas da Marvel – uma turma ótima que domina a platéia como poucos -, quem sabe a Con não recupere o gás?

Antes de mais uma batelada de fotos, fechei a noite com dois filmes. Step Brothers, com Will Ferrell e John C. Reilly, estreou hoje por aqui e é uma bomba. Já na madrugada, foi com Jeff Buhler, roteirista de The Midnight Meat Train, conferir a adaptação da história curta de Clive Barker que li há bons quinze anos. Forte, muito forte…

Com a imagem de Vinnie Jones estraçalhando crânios em mente, despeço-me!

E o pessoal espera por Watchmen...

E o pessoal espera por Watchmen...

E êi-los!

E êi-los!

Jackie Haley Earle (Rorschach) e Jeffrey Dean Morgan (o Comediante)

Jackie Earle Haley (Rorschach) e Jeffrey Dean Morgan (o Comediante)

Male xxxxxx (Laurie xxxxxxx, a Espectral II), Patrick Wilson (o Coruja) e Carla Gugino (Sally Júpiter, a Espectral I)

Malin Akerman (Laurie Juspeczyk, a Espectral II), Patrick Wilson (o Coruja) e Carla Gugino (Sally Júpiter, a Espectral I)

O venerável Zack Snyder

O venerável Zack Snyder

Mathew Goode (Ozymandias) e Billy Crudup (Dr. Manhattan)

Mathew Goode (Ozymandias) e Billy Crudup (Dr. Manhattan)

Frank Miller, a produtora xxxxxxxxxxxxxx e Sam Jackson no painel de The Spirit

Frank Miller, a produtora Deborah Del Prete e Sam Jackson no painel de The Spirit

A... errr... Liga da Justiça...

A... errr... Liga da Justiça...

Maquete de Halloweentown, de O Estranho Mundo de Jack, que custa a miséria de 25 mil dólares...

Maquete de Halloweentown, de O Estranho Mundo de Jack, que custa a miséria de 25 mil dólares...

Sim, é o Capitão América. O original, da série Truth (não leu? culpa da Panini...)

Sim, é o Capitão América. O original, da série Truth (não leu? culpa da Panini...)

Que detalhista esse.... modelo do Jabba, não?

Que detalhista esse.... modelo do Jabba, não?

É, muito interessante mesmo...

É, muito interessante mesmo...

Tão bacana que eu passaria o resto da Con fotografando... é, o Jabba...

Tão bacana que eu passaria o resto da Con fotografando... é, o Jabba...

Chucky, tamanho natural, precinho irreal...

Chucky, tamanho natural, precinho irreal...

A DC colocou em seu booth alguns pôsteres com novas imagens de Watchmen. Como esse ai...

A DC colocou em seu booth alguns pôsteres com novas imagens de Watchmen. Como esse aí...

... ou este. E desculpem o cabeção do cabeção.

... ou este. E desculpem o cabeção do cabeção.

Lou Ferrigno. Mas de longe, para ele não cobrar pela foto...

Lou Ferrigno. Mas de longe, para ele não cobrar pela foto...

E com esse pedaço delicado de marketing da __________, vendendo o filme ____________, encerro por hoje. See ya!

E com esse pedaço delicado de marketing da __________, vendendo o filme ____________, encerro por hoje. See ya!

Tags: , ,

3 Respostas to “Comic Con, Dia 3: Watchmen e a… eletricidade”

  1. Rochely C. Says:

    “…(menos este que vos escreve, que usou os bons contatos para ficar num lugar mais bacana – como já dizia o Faith no More, “being good gets you stuff”).” Hahaha, adoro isso.

    Boas fotos do Jabba. Vai comprar?

  2. Márcia Dantas Says:

    Sadovski, por favor, se vc tirou algumas fotos do pessoal do seriado “24 horas” aí na Comic Con, poste!!!! P-O-R F-A-V-O-R!!!!!!!!!!!!!! Eu imploro!!!!!

  3. Richard Neves Says:

    Qnt custa o chucky?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: