Incrível, é o Hulk!

Semana passada, entre Praga (no set de GI Joe) e de volta a Londres (dando um pulo nas filmagens de The Wolfman), peguei uma sessão de O Incrível Hulk. Ainda bem que a agonia do “eu vi primeiro, eu vi primeiro!!!” ainda não me contaminou. Nada como dar um tempo para digerir o filme com cuidado, prestando atenção em detalhes e, na hora de compartilhar a experiência com vocês, a coisa não sair destrambelhada. Vamos ao verdão. O filme de Louis Leterrier é, afinal, bom? A resposta, com certo alívio, é sim. Seguindo o caminho aberto por Homem de Ferro no começo da temporada, o segundo filme da Marvel é uma aventura acelerada, bem resolvida e contida em pouco menos de duas horas, mas com uma enxurrada de referências que deixa os fãs salivando para 2010, quando o estúdio libera mais dois filmes. Ainda assim, O Incrível Hulk não é uma aventura tão satisfatória e completa como Homem de Ferro. Para resumir o problema, o filme não é cool o bastante.

Como eu mesmo já comentei na reportagem de capa da edição de junho de SET, O Incrível Hulk é um restart da série, e em nada se relaciona com o filme que Ang Lee dirigiu em 2003 – diga-se, um filme nunca menos que espetacular. Mas aparentemente os fãs queriam o bom e velho “Hulk esmaga!”, e não o épico introspectivo e cerebral de Lee, com direito a um clímax psicodélico que Frank Brunner não conseguiu tecer nem nas tramas mais alucinadas do Dr. Estranho. Além disso, com O Incrível Hulk a Marvel buscou um filme que se encaixasse na concepção de seu “universo cinematográfico”, mais coeso e interrelacionado, em que personagens de filmes diferentes habitassem o mesmo mundo. Assim, o filme de Louis Leterrier chega coalhado de referências ao mundo Marvel dos gibis – ainda mais que Homem de Ferro. Além de óbvias referências às Indústrias Stark, são mencionados a SHIELD (e seu diretor, Nick Fury), Jack McGee e Jim Wilson (personagem da série de TV e dos gibis, respectivamente) e, de forma onipresente, o Capitão América. Muito mais do que possa se imaginar…

O filme começa com um rápido flashback da origem do verdão – mais uma vez longe dos gibis, agora próxima à da série de TV – e logo nos coloca na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. Bruce Banner (Edward Norton) está escondido, trabalhando numa fábrica de refrigerante, e procurando não só controlar a fera que habita seu corpo, mas também um modo de eliminá-la de vez. Ele é descoberto pelo exército e logo o General Ross (William Hurt) arma uma tropa para trazê-lo de volta. Até então, o caos trazido pelo Hulk é discreto, fica restrito às sombras – mas sua presença incomoda o soldado Emil Blonsky, que logo torna-se obcecado em capturar a fera. Ou, como fica lentamente claro, em conseguir seu poder. Para tanto, ele submete-se a uma experiência conduzida por trás das cortinas pelo General Ross, que coloca as mãos no Soro do Supersoldado, desenvolvido na Segunda Guerra Mundial, para aplicá-lo em Blonsky. Assim, o soro que criou o Capitão América é usado, e o Hulk, agora acuado no campus de uma universidade, quando Banner reaproximou-se de Betty Ross (Liv Tyler), enfrenta Blonsky versão Supersoldado. Com o fracasso, é questão de tempo até Emil ter seu sangue contaminado por radiação gama, e o resultado é a criação do Abominável e um impressionante quebra-pau nas ruas de Nova York.

O bacana em O Incrível Hulk é que todas essas seqüências são amarradas com velocidade, mas a mudança de atitude de Banner em relação a seu alter-ego nunca parece apressada ou sem motivação. Aos poucos ele percebe que seu destino pode, sim, estar ligado à criatura de maneira positiva, mesmo que ainda incontrolável. Ao contrário do Hulk mostrado no filme de Ang Lee, desta vez o monstro verde parece desenvolver mais inteligência a cada transformação, como uma criança que aprende com os erros e raciocina soluções, ainda que num nível muito primário. É claro que os fãs vão adorar quando ele finalmente berrar seu “Hulk esmaga!” tradicional! Além disso, claro, os fãs vão adorar o modo como O Incrível Hulk encaixa-se no mundo sugerido em Homem de Ferro e o expande. Um exemplo de que esse é definitivamente um mundo hiper-realista são as armas sônicas que o exército utiliza contra o verdão – mais gibi, impossível. Embora a participação de Leonard Samson (Ty Burrell) seja tímida, o cientista Samuel Sterns (Tim Blake Nelson) tem papel decisivo na trama, mostra óbvia fascinação pelas implicações biológicas abertas pelo Hulk e despede-se de cena com uma introdução nada sutil a seu alter-ego, o Líder (talvez num próximo filme…).

Uma cena que ficou de fora, no entanto, foi um prólogo no Ártico, em que Banner possivelmente encontraria o corpo congelado do Capitão América – cena confirmada para este que vos escreve por Leterrier e pelo produtor Kevin Feige. Um rápido telefonema e Feige me conta que eles decidiram não incluir a cena por destoar do resto do filme, por ser uma cena mais pesada – mas ela não só estará disponível online em breve como será disponibilizada no DVD do filme. Mais uma cortina de fumaça? Para garantir, é bom ficar até o fim dos créditos mais uma vez… (Ah, essa não é informação “exclusiva” porque isso é o conceito mais estúpido do planeta…).

O que nos traz de volta ao fator “O Incrível Hulk é bacana, mas não é cool”. Existem coisas que são intangíveis, reações que terminam sendo particulares com a bagagem e a expectativa de cada pessoa na sala escura. Homem de Ferro trazia uma energia dinâmica, representada pelo imprevisível Tony Star de Robert Downey Jr (que aparece em O Incrível Hulk com mais ecos do que pode ser tornar Vingadores em celulóide). O filme de Jon Favreau é elétrico, é uma experiência narrativa e também sensorial. Sob esse prisma, não existe absolutamente nada de errado em O Incrível Hulk. Apesar de algumas soluções apressadas no roteiro – e a geografia por vezes implausível -, o filme é dirigido com firmeza, mesmo em suas porções mais dramáticas. Não deixa a desejar como filme de ação – em especial o clímax, que mostra o encontro de duas criaturas de poder inimaginável. O elenco funciona à perfeição, especialmente Ed Norton. É bem humorado na medida certa e traz mimos para os fãs repetirem a dose.

Mas, inexplicavelmente, não agarra pelo estômago, não é eufórico e não traz impressões duradouras como, mais uma vez, Homem de Ferro. Pode ser que o cuidado extremo, causado pela lembrança ainda firme do Hulk de Ang Lee, tenha arrancado um pouco da espontaneidade do filme. Talvez o personagem se preste mais à introspecção que o colorido vingador dourado. Homem de Ferro é definitivamente cool. O Incrível Hulk é um filme jóia. Se isso é pouco, o veredito está em suas mãos.

Tags: , ,

17 Respostas to “Incrível, é o Hulk!”

  1. Márcia Dantas dos Santos Says:

    Estou mais ansiosa do que nunca para ver este filme!! Não que eu fosse muito fã da série de TV (marcou minha infância, mas minha mãe curte mais do que eu curtia.). É por causa de Edward Norton!! Acho ele um ator incomparável da última geração!! Quero ver como ele se sai como um personagem tão pop quanto o Hulk!! Não que eu não goste de Eric Bana, pelo contrário, acho um ator ótimo!! Mas se os fãs gostarem realmente deste filme como eu acho que vão gostar, boa parte vai ser por causa deste ator espetacular!! Vou ver o filme e depois deixar minha impressão!!!

  2. Eduardo Says:

    Ae sado, boa crítica do filme do verdão…e tendo em vista que vc visitou o set de G.I.joe, pergunto, o que podemos esperar deste filme? Será algo estilo Van Helsing (arghh) tendo em vista o diretor (eu tenho medo do sommers) ou será mais contido, mais sério, dentro do possível lógico? pergunto pq ao lado de watchmen são dos dois longas mais aguardados de 2009 para este que te escreve.

    abraço

    ps.: desculpa a perturbação na comu da set, mas agora to tomando o remedinho de maracujá…rsrs

  3. joão paulo da silva Says:

    Critica muito boa,vou amanha assistir ao filme e com certeza vou esperar até os créditos acabarem para ver se tem uma cena extra e melhor to ansioso pra ver a luta entre o verdão e o abominável.

  4. joelsonlima Says:

    Hulk como personagem sempre é mais drama que o Homem-de-Ferro.O filme do Lee é otimo, mas a aparência do monstro matou os pontos positivos.

  5. Alipio Says:

    Bem, eu vi o filme e como vc disse, o achei correto e ‘ok’. Nada mais. Acho q ficaria legal a ação desse filme com o resto do outro filme. Agora, Kapow! vai mesmo continuar se preocupando com o que os outros estao escrevendo por aí? Desnecessário isso, parece coisa de auto-afirmação ou demarcação de território…

  6. Alex Sandro Alves Says:

    Eu sinceramente não consigo entender o que as pessoas viram em ‘Homem de Ferro’. Personagens mal desenvolvidos (e mal aproveitados diga-se de passagem), cenas de ação não mais que “ok”, e cujo maior “trunfo” é o humor que permeia toda a narrativa, principalmente pelo cascateiro Tony Stark.

    ‘O Incrível Hulk’ coloca no chinelo ‘Homem de Ferro’. Principalmente em relação as seqüências de ação. Final eletrizante e de impacto Sadovski entre dois seres monstruosos é este mostrado em ‘Hulk’. O embate entre Iron Man e Monge de Ferro chega a ser ofensivo perto deste. ‘Hulk’ tem seus problemas é óbvio, como interpretações caricatas (Hurt, Roth e Nelson), mas é eficiente como entretenimento que não ofende.

  7. João Carlos Says:

    Vou falar com a liberdade de quem não é fan nem do Hulk e nem do Homem de Ferro, mas absolutamente fanático por cinema…

    Não vi problemas em nenhum dos dois filmes, achei-os bacanas a ponto revê-los e tê-los em minha estante, quando sair em DVD. Mas não sou muito otimista em relação ao futuro: Nas mãos de um diretor sem talento, e com o excesso de informação (leia-se heróis) que conterá a iminente continuação, não vejo a possibilidade de que ele dure menos que 180 minutos e o filme poderá ficar confuso e com mais efeitos de computador do que atuações… Tenho esta impressão.

    Agora, cá entre nós, foi muito legal a sacada de colocar Ed Norton em frente a Bill Bixby (início do filme, quando Banner assiste TV e vê cena de “Meu marciano favorito”; e depois falar para o vigia Lou Ferrigno “Você é o cara”. Pra quem acompanhou a série da TV, a homenagem foi muito bacana e pertinente!

    Bom, boa noite amigos, que eu vou pro shopping Iguatemi ver a pré-estréia do melhor super-herói de todos: Agente 86!!!

  8. joão paulo da silva Says:

    Voltei e agora eu assisti ao Hulk e devo dizer que é muito bom,não melhor que o Homem de Ferro é claro,mas compensa pelas cenas de ação e pela ligação feita entre a SHIELD,hulk e homem de ferro(que venha os vingadores),a cena do tony stark é genial mesmo que curta.Voltando ao hulk,cara que luta final massa é aquela,e como a voz do Abominável ficou louca e melhor, o Hulk como disse o Sadovski fica muito mais inteligente a cada transformação,quando ele pronuncia hulk esmaga é simplesmente fantástico.Eu não tinha nada contra ao filme do ang lee,mas esse novo ficou muito mais cool mais parecido com hulk dos quadrinhos.Que venha o Batman para governar no mês de julho.

  9. ANDERSON LUCAS Says:

    …ATE QUE O FILME E BOM !!! MAS SO ISSO !!! BOM !!! NÃO CHEGA SER ESPETACULAR,POIS EU ASSISTI HOJE…REALMENTE BOM,APENAS BOM !!!POIS O HULK DE 2003 E UMA VERDADEIRA MERDA !!!ESSE LIMPA A IMAGEM NEGATIVA DO FILME DE 2003 DE ”ANG LEE”

  10. pirata Says:

    Otima critica Sado, assisti o filme e fiquei muito feliz em v q levaram a serio o q estavam fazendo, depois q a marvel passou a produzir seus filmes parece q estao fazendo com muito mais carinho, o q e um ponto positivo p nos q ficamos esperando anos ate sair seus filmes.
    vlw

  11. Márcia Dantas dos Santos Says:

    Amei !! Simplismente amei!! Não, realmente ele não é melhor que o “Homem de Ferro”!! Pra mim, o problema está no diretor, poderiam ter escolhido melhor!! Mas nada que o maravilhoso Edward Norton não tenha superado com a sua sempre incrivel atuação (nem preciso dizer que sou fã confessa dele!!!). Bom, acho que para os fãs de Hulk e, claro, de um bom “filminho” de ação, tá aí uma ótima opção!!!

  12. Vanderson Says:

    Ótimo filme! Hulk é realmente jóia!

  13. Jefferson Says:

    Que tal bolar uma enquete para os leitores escolherem a capa da próxima edição ? Uma com o Batman, outra com o Coringa e uma terceira com ambos ? Talvez Widescreen, como a de 300 ? Quem sabe no estilo da edição do Hulk do Ang Lee, que tinha todas as páginas e detalhes em verde ? Na versão TDK, uns HAHAHA’s espalhados pelas páginas, uns morceguinhos por aqui e por ali, umas moedinhas do Harvey e tem-se uma edição clássica !!
    E na fichas, por favor, Batman do Tim Burton e Batman Begins.

    E por favor, caprichem na edição, pois trata-se do melhor filme do ano, com certeza !!

    Abraço e até mais.

    PS.: na entrevista com o Steve Carrel a equipe do Omelete estava presente, ele só dá respostas iguais ou uma mini chupada, como no mês passado pelo correspondente Judão ?

  14. Átila Peixoto Says:

    Fala Roberto !!

    Bom eu já vi o Hulk e gostei bastante do que eu vi, uma pena que no cinema que eu fui não tinha tanta gente. Pois creio que todos tinham muito bem fixa a idéia de continuação do Hulk de Ang Lee (que é muito legal, mas compreendo prefeitamente a reclamação da maioria) e por isso não foram ver. Voltando ao incrível ……

    Muito legal mesmo !!! Gostei muito o diretor Louis Terrier que dirigiu o “Cão de Briga” soube conduzir muito bem as cenas de ação que na minha visão superam as do Homem de Ferro, mas nas demais cenas acaba perdendo para Homem de Ferro.

    Ainda não me sai da cabeça o motivo do filme ter 70min de cenas extras, sei que Ed Norton é um ator espetacular mas também é um chatonildo de carga maior para querer sempre ter o dedo dele em algo do filme. Acho que no final o filme poderia ter sido um pouco melhor se tivesse mais parceiria da parte dele. Não que o filme tenha ficado ruim, ficou ótimo mas passa a impressão de que poderia ser melhor algo que o homem de ferro não deixou acontecer.

    Acho que o mais extraordinário do filme foi justamente pegar elementos da série de TV. Aqueles olhos verdes arrepia qualquer um quando aparece, sem dizer que a mensagem é clara ” Agora o Pau vai quebrar !”, também maravilhoso foi ver o “HULK SMASH!!!”, muito bom mesmo. O elecon é excelente. Desejo muito que este filme vá bem para ter uma continuação confirmada.

    Mas embora hulk, homem de ferro, indiana jones, agente 86, rambo Iv, Os reis da rua, A lenda do tesouro perdido O livro dos segredos, e mais alguns tenha sido muito legais. NADA VAI SUPERAR BATMAN TDK ! NADA!!

  15. joao Says:

    Gostei do filme. O final, com participação da personagem Toni Stark foi excelente. Espero, ansioso, pelos vingadores !!!

  16. Michael Says:

    Esquece a versão de Ang Lee. O Incrível Hulk de 2008 é o melhor.

  17. Maikon braga Says:

    Sou para brasil desde quando eu asisti o primeiro filme eu virei um fã, e agora depois do segundo sou mais ainda

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: